Posted 6 months ago
E mais uma vez, eu abri uma página sua de uma rede social e fiquei olhando sua foto. Como eu já sorri olhando praquilo, você não tem idéia. Mas das ultimas vezes, infelizmente não era sorrindo que eu olhava, era com desanimo, com saudade e mágoa misturadas. Porque você tinha que morrer? Porque você tinha que matar tudo que eu sentia? Me obrigar a morrer também. Me obrigar a fingir estar viva pra todo mundo. Me obrigar a não chorar, quando tive vontade de chorar. Vontade de te esmurrar, te dizer que você é um idiota, um babaca, um cretino, um fraco, nunca passou disso. Nunca uma piada sua foi engraçada, nunca você me surpreendeu. Nunca. Mas eu não consigo deixar de pensar em você, a cada dia, a cada ato meu. E quando eu procuro outras pessoas, eu procuro imaginando você me vendo. E tendo ódio de mim. Porque eu quero que sinta ódio. Porque ódio significa alguma coisa, e é melhor que indiferença. Você que já foi tudo, já foi minha esperança, foi meu futuro imaginado, hoje não é nada. Não passa de uma foto numa rede social. Se eu vivo bem sem você, porque eu continuo te olhando? Porque eu sempre volto aqui? Porque eu ouço musicas que falam de tristeza? Por quê? Você não vale isso. Mas eu faço. Eu continuo fazendo. Como uma cerimônia de luto, eu sigo a risca. Mas acontece que você não morreu de verdade, do jeito que eu preferia que morresse. Você está ai vivo, vivendo sua vida, fazendo suas coisas, feliz, tranqüilo, sem sentir minha falta, sem olhar minha foto em rede social. Porque eu não consigo? Porque você não podia ser alguém? Eu esperei muito de você? Não. Eu não esperei nada, eu entendi tudo, eu entendia o que ninguém entenderia. Eu respeitei. Eu fiz como você quis. Tudo. Eu me anulei. Eu deixei de me amar, pra todo meu amor ser só seu. Eu voltei atrás. Eu chorei, eu pedi desculpas, eu agüentei besteiras. Agüentei tudo. Ajuntando do chão, migalhas do seu carinho, migalhas do seu amor. Do seu jeito explosivo e calmo. Um dia me amando como se a terra fosse acabar depois da meia noite. No outro dia um desconhecido me pedindo pra tratá-lo como qualquer um, por favor. Você é meu personagem favorito. O dono de todos os meus textos, de todas as minhas histórias. O dono da curvinha das minhas costas. E eu tenho que dizer isso agora, só pra uma foto numa rede social. Porque você morreu na minha vida. Você pediu demissão, seu cargo era o de presidente, era membro honorário do conselho, tinha tapete vermelho e eu me vestiria até de secretária se te agradasse. E você pediu demissão, sem aviso prévio nem nada. Me diz agora? Como viver bem? Como sobreviver, sem essa ponta de angustia? Eu sou feliz, cara. Eu sou feliz demais. Mas eu sou infeliz demais, quando penso em você. Quando penso no que poderia ser, no que poderia ter sido. Eu sei que não dá. Eu nem quero que dê. Não quero mais. Mas não sei o que fazer com esse nó. Vai passar né? Eu sei. Com o tempo eu não vou mais olhar sua foto, nem sofrer, nem pensar o quanto é infeliz tudo o que aconteceu. Tomara que passe logo. Porque a vontade de te ressuscitar as vezes, me domina.
Tati Bernardi.  
Posted 6 months ago
São exatamente três da manhã. Você consegue acreditar que os dias estejam passando tão rápido? Ah, sei lá, nem eu. A hora se arrasta tanto, que olhar pro relógio correndo tão devagar me faz lembrar como era rápido quando eu tava contigo. Sei lá, Stubb, te escrever virou algo tão vazio. Vazio de você. O que antes era preenchido numa inundação de você, hoje da até eco. Eu achei que conhecia você, pelo menos um terço do que você me conhecia. Porque eu fui sim, Stubb, sem mascaras e transparente quando o assunto era você. Eu entrei de cabeça, eu fui 100% com você. Porque os outros só tiveram 50% de mim, a metade que eu escondi de todo mundo… Stubb, você sabia todinha. Eu sabia todos os seus tons de vozes. A cansada, pela manhã, quando me dava aquele “bom dia” com aquele ar de garotinho preguiçoso. E a voz baixa e cautelosa que tu tinha de madrugada. Você disse, Stubb, com todos os adjetivos e todas as letras, que eu não precisava me preocupar. E quando você me dava “boa noite” e eu falava “você vai estar aqui?” E você só dizia pra te gritar qualquer coisa. Você foi sim, sempre vai ser, um completo babaca. Você foi sim, e sempre vai ser, o auge da minha vida. E sempre vai ocupar o lugar de “o cara que me fez acordar pra vida”. É claro que um de nós teria que ir embora alguma hora. Porque é claro que burradas, são pra serem descobertas e não perdoadas. Eu tive medo de perder você por uma vida inteira, e não tive você nem por uma noite. Ou por uma manhã. A verdade, Stubb, é que você me encontrou e eu perdi você. Perdi entre aspas, porque você nunca foi algo de verdade. Algo que eu pudesse dizer que fugiu pelos meus dedos quando eu fechei a mão pra guardar você. Eu te agarrei pelo braço, eu cravei a unha em você pra ver se eu conseguia te marcar pelo menos um pouquinho. Pra ver se amanhã você ia me ligar pra dizer “isso tá roxo, não vai sair”. Você não ligou. Eu nunca mais tive coragem de tocar no seu braço esquerdo, porque você é todo meu ponto fraco. Eu quis te ligar, mas você faz tudo errado. Eu precisava ser o lado certo, e eu seria errada assim como você se eu te ligasse. Porque o erro, na verdade, é você. Eu poderia mesmo apontar e gritar todos os seus erros. Jogar na sua cara como uma caixa que guarda coisas que foram importantes uma vez, mas olhando bem de pertinho, nem importam mais. Mas eu gostava mesmo quando você passava a mão no meu cabelo. Com tua barba de homem, e tom de voz de menino. Você se fez de homem maduro, que nunca sorri e só faz piadas sem graças, quando na verdade era um menino. Com inho no final. A verdade nisso tudo, é que você me conhece do avesso. E eu só conheço seu numero de camisa, pela que você deixou comigo. Afirmando com todos os dentes que eu tinha que ter seu cheiro pelo menos um pouquinho, porque você já era meu cheiro completamente. Você me encontrou, lembra? E eu soube de imediato que você era a peça que eu tinha perdido entre as almofadas, a peça do meu quebra-cabeça. Eu descobri que o que faltava era você. Um completo idiota que não se encaixa em nada. E você tá cada vez mais perdido, e distante. O problema é que você foi uma mentira tão grande, tão bagunçada, que me lembrou aquelas bolas de neve que ficam presas na porta que não te deixam sair. Você, até hoje, é a bola bagunçada que não me deixa sair. É aquilo que me arrasta pro que eu mais odeio e pro que eu mais peço distância. Você é, foi, sempre vai ser a mentira mais ridícula do mundo. Mas o telefone fica no peito, aguardando qualquer um tom de voz seu do outro lado da linha. Porque são 3 da manhã, e a rotina que eu tinha de você, são os ponteiros do relógio. Era toda hora, todo minuto, todo segundo. Se me perguntarem agora, se eu te quero de volta, a resposta é não. Quem ia querer alguém como tu na vida de novo? Mas se me perguntarem agora, se eu preciso de você de volta… Eu esqueço a fantasia de mulher madura, eu boto a fantasia na caixa. E eu viro de novo, aquela menininha, que eu só fui com você. Porque as 3 da manhã, Stubb, a falta que você faz é doentia. Porque, as 3 da manhã, Stubb, eu sou mais coração do que razão. Mais menina, do que mulher. Porque o relógio me assombra toda vez que toca o “tic” e a sua respiração preguiçosa não faz mais parte da decoração da minha cama. Mas isso a gente deixa escondido, porque junto com essa bagunça, eu entendi que você sempre vai ser um enigma. E eu já não sei se te falei, mas eu sou péssima como adivinho. E o problema de você ser um enigma, é quando eu procuro um bom filme pra ver, eu sempre escolho o de “mistério”. Algo que tu sempre disse que eu era, mas a verdade, é que eu sou só teimosa. Que teima em tentar, de algum modo impossível, resolver você. (Sempre fui otimista, mas dessa vez até eu sei que não vai dar certo, pra você ver como isso, não tem jeito de jeito nenhum). Mas ainda assim, quando acordo as três com essa insônia ridícula, ainda é você quem eu tento alcançar na cama. E, consequentemente, ainda é você que eu não encontro.

(Source: tajmahhal)

Posted 8 months ago
Foi difícil acreditar e compreender que você me doía. Um sentimento não deve doer tanto assim, pensei diversas vezes. Mas, você sabe, sei me passar muito bem a perna, o braço, o apêndice e tudo mais. Perdi as contas de quantas noites deitei a cabeça no travesseiro e comecei a repassar mentalmente tudo que vivemos. Não me faltaram questionamentos. Onde errei? O que poderia ter feito diferente? O que poderia ter evitado?
Não era para você me doer tanto. Me apeguei, por instinto e carência, a pequenos detalhes, fagulhas, faíscas que jamais existiram. Ou existiram e eram pequenas demais. Voltei a repassar mentalmente tudo que podíamos ter vivido. O que você poderia ter feito? Onde você poderia ter aparecido, com um sorriso apaixonado e um olhar bobo, e ter me dito fica. Fica esta noite. Fica esta semana. Fica este mês. Fica este ano. Fica comigo esta vida. E na próxima também, porque eu sinto a sua falta a cada segundo que meu olhar se perde do seu. 
Tentei voltar no que ficou para trás, mas não consegui. O passado andava rápido demais. Os passos eram largos, intensos, firmes. E eu tentava desesperadamente correr atrás do que restou aqui dentro. Tudo foi em vão. O meu mundo ficou pequeno, apertado, sombrio e triste. Existia ainda algo sem cor e sem som chamado esperança. Uma esperança que renascia a cada dia. Esperança de que você se arrependesse e me pedisse com a voz trêmula e os olhos úmidos: fica. Fica até a gente se perder um no outro. Fica para sempre, ainda que a gente não saiba se ele existe realmente. Fica até depois que tudo terminar. 
Então eu tentei tirar tudo da cabeça em um happy hour com amigos, um novo corte de cabelo, um filme novo no cinema, uma bolsa nova, um novo papel de parede, aquela viagem tão sonhada. Por breves momentos até consegui, mas depois me dei conta que o novo nem sempre apaga o velho. E que não adianta tentar pisar em cima de todos aqueles castelos de areia, tem que deixar a onda chegar e levar. 
Quis voltar para onde tudo parou e tentar fazer de lá um novo começo. Um recomeço qualquer, mais bonito, diferente, sem os erros do passado. Mas percebi que inevitavelmente o tempo passa e as pessoas mudam e as lágrimas secam e você começa a se reerguer devagar. Então, sem tentar fazer força, você olha o que restou dos castelos que a onda levou. E percebe que está na hora de mudar de praia, de areia, de estrutura de castelo. E começar uma nova história. Do zero.
Posted 8 months ago

Um vento fresco entrou pela janela. Ao invés de encostar o vidro coloquei o rosto para fora. Nesses momentos sinto a vida, pensei. Não que nos outros dias não sinta. Mas chuva e vento no rosto são duas coisas que me fazem bem. 
 
Tentei lembrar do antes. Daquela época em que eu achava que a vida podia ser intensa, bela, inteira. Hoje olho para dentro do peito e me pergunto: como ser inteira sem você? Meus pedaços foram arrancados, o que corre nas minhas veias é saudade. 
 
A saudade que eu sinto nem é de você. É do meu sorriso. É de como eu era feliz. E radiante. E cheia de esperança. Eu tinha aquela crença bonita de que tudo no fim dá certo. Sempre. E hoje eu sei que nem tudo anda nos trilhos. Vezenquando a realidade bate forte na porta e me mostra que as coisas muitas vezes dão errado. Mas, olha que curioso, elas dão errado para que a gente aprenda que nem tudo é linear. Não é carma, cruz ou o mundo pesando nas nossas costas frágeis. Vou te contar uma verdade: nada disso cabe em cima de mim ou de você. O fato é que nem sempre sabemos lidar com a frustração. Somos humanos, imperfeitos, hedonistas.
 
Querer e não poder dói. Sonhar e não realizar dói. Planejar e não acontecer dói. Tudo isso fere, corta, sangra. E não dá pra gente se debater e sair chorando feito criança pequena, pois grandes já somos. É preciso encarar, secar a lágrima no canto do rosto, seguir em frente. Gente grande segue em frente. E isso também dói. Dói saber que você é uma página virada. Ou arrancada. Dói saber que tudo, tudo mesmo virou nada. Mas o bom da vida é justamente saber que uma nova página sempre nos espera. Ainda bem.

Um vento fresco entrou pela janela. Ao invés de encostar o vidro coloquei o rosto para fora. Nesses momentos sinto a vida, pensei. Não que nos outros dias não sinta. Mas chuva e vento no rosto são duas coisas que me fazem bem. 

 

Tentei lembrar do antes. Daquela época em que eu achava que a vida podia ser intensa, bela, inteira. Hoje olho para dentro do peito e me pergunto: como ser inteira sem você? Meus pedaços foram arrancados, o que corre nas minhas veias é saudade. 

 

A saudade que eu sinto nem é de você. É do meu sorriso. É de como eu era feliz. E radiante. E cheia de esperança. Eu tinha aquela crença bonita de que tudo no fim dá certo. Sempre. E hoje eu sei que nem tudo anda nos trilhos. Vezenquando a realidade bate forte na porta e me mostra que as coisas muitas vezes dão errado. Mas, olha que curioso, elas dão errado para que a gente aprenda que nem tudo é linear. Não é carma, cruz ou o mundo pesando nas nossas costas frágeis. Vou te contar uma verdade: nada disso cabe em cima de mim ou de você. O fato é que nem sempre sabemos lidar com a frustração. Somos humanos, imperfeitos, hedonistas.

 

Querer e não poder dói. Sonhar e não realizar dói. Planejar e não acontecer dói. Tudo isso fere, corta, sangra. E não dá pra gente se debater e sair chorando feito criança pequena, pois grandes já somos. É preciso encarar, secar a lágrima no canto do rosto, seguir em frente. Gente grande segue em frente. E isso também dói. Dói saber que você é uma página virada. Ou arrancada. Dói saber que tudo, tudo mesmo virou nada. Mas o bom da vida é justamente saber que uma nova página sempre nos espera. Ainda bem.

Posted 8 months ago
Olha, estou muito triste com você. Triste, chateada, decepcionada. Quando você precisou de mim estive ao seu lado, incansavelmente. Te dei ouvido, colo, ombro. Foi gratuito, sim, veio do coração e foi sincero. E, não, eu não deveria esperar nada em troca, afinal, se a gente faz uma coisa porque quer não tem que esperar nadica de nada dos outros. 



Confesso que nunca esperei um obrigada. Tudo que faço é porque quero, não forço nada. Mas detesto me sentir usada, abusada e descartada. Não esperava que você beijasse meus pés, apenas que tivesse conhecimento de uma palavrinha chamada gratidão. Ela é tão bonita, tão importante nos relacionamentos. A gratidão é aquele sentimento que nos faz agradecer por ter pessoas leais em nossas vidas.


Todo o ser humano nasce com as tais (terríveis) expectativas. Elas nos tiram o sono, causam olheiras, fazem calo no coração. E eu infelizmente sou uma pessoa que tenho expectativas demais. Talvez o erro seja realmente meu, entende? Talvez eu tenha esperado que você tivesse consideração. Talvez eu não esperasse que você me virasse as costas depois de tudo. Agora você franze a testa e se pergunta: o que ela queria? Nada. Eu não queria agradecimentos públicos, presentes caros, anúncios no jornal. Só queria sentir uma sinceridade estampada no seu peito.
É claro que ninguém nunca vai ser como a gente espera. É claro que precisamos fechar um olho, fingir que não ouvimos determinadas coisas, deixar passar batido outras tantas. Se formos levar tudo ao pé da letra fica muito difícil.Precisamos ser nós mesmos. Preciso manter minha naturalidade, não posso viver dando desculpas para sua falta de jeito ou para o meu excesso de sentimentalismo. Sim, eu sei que fico filosofando sobre as coisas e procuro pelo em ovo. Mas ultimamente ando mais simples, mais consciente. O que tiver que ser vai permanecer. É claro que todos os relacionamentos exigem esforço, precisam de um empurrão para funcionar. Mas não posso ser a única a fazer esforço. Dois têm mais força que um. Lembra disso.
Olha, estou muito triste com você. Triste, chateada, decepcionada. Quando você precisou de mim estive ao seu lado, incansavelmente. Te dei ouvido, colo, ombro. Foi gratuito, sim, veio do coração e foi sincero. E, não, eu não deveria esperar nada em troca, afinal, se a gente faz uma coisa porque quer não tem que esperar nadica de nada dos outros. 

Confesso que nunca esperei um obrigada. Tudo que faço é porque quero, não forço nada. Mas detesto me sentir usada, abusada e descartada. Não esperava que você beijasse meus pés, apenas que tivesse conhecimento de uma palavrinha chamada gratidão. Ela é tão bonita, tão importante nos relacionamentos. A gratidão é aquele sentimento que nos faz agradecer por ter pessoas leais em nossas vidas.

Todo o ser humano nasce com as tais (terríveis) expectativas. Elas nos tiram o sono, causam olheiras, fazem calo no coração. E eu infelizmente sou uma pessoa que tenho expectativas demais. Talvez o erro seja realmente meu, entende? Talvez eu tenha esperado que você tivesse consideração. Talvez eu não esperasse que você me virasse as costas depois de tudo. Agora você franze a testa e se pergunta: o que ela queria? Nada. Eu não queria agradecimentos públicos, presentes caros, anúncios no jornal. Só queria sentir uma sinceridade estampada no seu peito.

É claro que ninguém nunca vai ser como a gente espera. É claro que precisamos fechar um olho, fingir que não ouvimos determinadas coisas, deixar passar batido outras tantas. Se formos levar tudo ao pé da letra fica muito difícil.Precisamos ser nós mesmos. Preciso manter minha naturalidade, não posso viver dando desculpas para sua falta de jeito ou para o meu excesso de sentimentalismo. Sim, eu sei que fico filosofando sobre as coisas e procuro pelo em ovo. Mas ultimamente ando mais simples, mais consciente. O que tiver que ser vai permanecer. É claro que todos os relacionamentos exigem esforço, precisam de um empurrão para funcionar. Mas não posso ser a única a fazer esforço. Dois têm mais força que um. Lembra disso.

Posted 8 months ago
Pare, simplesmente pare. Por favor, pare. Acho que você já cometeu estragos suficientes por aqui. Ou você achou pouco virar a minha vida do avesso e depois partir como se fosse a coisa mais simples do mundo?Não estou aqui para te salvar, não adianta você me procurar para que eu te console. Você veste suas angústias e bate na minha porta, como se eu fosse a sua cura. Mas ninguém tem esse poder, você precisa crescer e buscar essa força aí dentro, sei que ela existe. Pare de usar quem aparece na sua frente para tentar desfazer suas frustrações, ninguém vai te pegar pela mão e te mostrar por qual caminho seguir.Busque a sua sensibilidade, tente entrar em contato com o que há mais puro em você, se conecte com o que você é lá no fundo.

Acho que o seu egoísmo te impede de enxergar o mundo com clareza. Sua falta de noção faz com que você fique cego e não consiga se enxergar. Procure as saídas e as soluções dentro de você. Procure você mesmo aí dentro. Uma hora as pessoas precisam se encontrar. Torço para que você consiga (pra ontem).

Pare, simplesmente pare. Por favor, pare. Acho que você já cometeu estragos suficientes por aqui. Ou você achou pouco virar a minha vida do avesso e depois partir como se fosse a coisa mais simples do mundo?Não estou aqui para te salvar, não adianta você me procurar para que eu te console. Você veste suas angústias e bate na minha porta, como se eu fosse a sua cura. Mas ninguém tem esse poder, você precisa crescer e buscar essa força aí dentro, sei que ela existe. Pare de usar quem aparece na sua frente para tentar desfazer suas frustrações, ninguém vai te pegar pela mão e te mostrar por qual caminho seguir.Busque a sua sensibilidade, tente entrar em contato com o que há mais puro em você, se conecte com o que você é lá no fundo.

Acho que o seu egoísmo te impede de enxergar o mundo com clareza. Sua falta de noção faz com que você fique cego e não consiga se enxergar. Procure as saídas e as soluções dentro de você. Procure você mesmo aí dentro. Uma hora as pessoas precisam se encontrar. Torço para que você consiga (pra ontem).
Posted 8 months ago
Sei que não sou fácil, mas você também não é. Sei que sou intolerante, cabeça dura, teimosa e quero tudo do meu jeito. Assim como você. Quando alguém é nosso espelho nos vemos no reflexo. E isso nem sempre é confortável, às vezes traz lá do fundo o que devia permanecer bem escondido. Em muitas situações o reflexo é uma pedra no sapato, uma página vazia, uma dor que nunca cessa.
Posted 8 months ago
Ah, quer saber? Eu desisto de você. Desisto de tentar te levar pela mão, de insistir em te fazer algum agrado, de buscar um sorriso para seu rosto triste, de querer afogar seus medos em vão. Não dá mais, não tem como amar alguém que não quer ser amado, que não se permite, que não se abre.

Ah, quer saber? Eu desisto de você. Desisto de tentar te levar pela mão, de insistir em te fazer algum agrado, de buscar um sorriso para seu rosto triste, de querer afogar seus medos em vão. Não dá mais, não tem como amar alguém que não quer ser amado, que não se permite, que não se abre.

Posted 8 months ago
Vou parar de brigar comigo, de tentar te tirar do pensamento, de procurar uma forma de te esquecer, de fazer força para te afastar de mim. Seja o que Deus quiser. Seja o que o universo disser. Espero que as notícias sejam boas. E que você volte para perto de mim.
Posted 8 months ago
Não quero mais participar dessa sua paranoia. Vai viver a sua vida, vai resolver os seus problemas, vai tentar ser feliz. Me deixa aqui, quieta no meu canto, finge que não existo. Vai ser melhor assim.